“Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres.”- Voltaire e o Big Brother

Todos os anos, quando o Big Brother estreia, aparecem os falsos cultos de plantão e começam a distribuir suas opiniões não solicitadas.

O pior ainda acontece quando o programa tem bons índices de audiência, e vira assunto em sites e redes sociais, a ira dos cultos de ocasião aumenta exponencialmente.

Não entendo a diferença entre assistir uma novela, uma série, um desenho animado, o big brother, ou qualquer coisa.

Entretenimento. Me entretenho com o que eu quiser. Sem culpas!

Achei esse texto PERFEITO sobre isso, do José Francisco, do site BOXPOP (o texto é de 2014, mas como todo ano é a mesma babaquice…) e vou reproduzir aqui:

Pelo direito de defender o que você assiste

“(…)Quando o Big Brother Brasil estreou, eu era um grande fã da atração...

Ler mais

E os vídeos voltara pra sexta!!!! Aeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee!!!!!!

E hoje os vídeos voltam para o dia na qual não deveria ter saído!!!

 

Ler mais

Respondendo as perguntas das leitoras da Capricho…

Ler mais

Fingimento

Ler mais

MUITO SOBRE COISA NENHUMA

Ler mais

Carta ao Gabriel

Oi, Gabriel

Aqui é o Tio Sandro. Ainda não pude te ver – Estou com uns problemas aqui, mas vai se acostumando, pois sou um tio “problemático”

Você nasceu ontem, no dia cinco de janeiro, e já vi um monte de fotos suas. Cara, como você é bonito, hein? Tô louco pra te pegar no colo, sentir seu cheiro, ver seu narizinho de perto… Tá, tá, parei, não precisa ficar com vergonha. Mas você vai aprender que o amor é assim mesmo, deixa a gente bobo, bobo…

Sabe, eu conheci sua mãe há muuuuuuuuuuito tempo atrás, nós sentávamos juntos na escola, fazíamos trabalhos juntos, implicávamos com os colegas – não faça isso nunca! – e fomos crescendo, e a vida seguindo, e sempre juntos, até que chegou esse momento especial, que você chegou! E eu fiquei tão feliz, tão feliz, tão feliz! Sim, a...

Ler mais

“Preciso fazer terapia para aprender a lidar com quem devia fazer terapia e não faz”

Ler mais

Porque Sandro sumiu? Porque Sandro não fala mais comigo?

Acho que nunca fiz uma postagem tão fútil na vida, falando sobre “feici” e tudo mais. Mas a demanda está enorme. Então vamos às explicações.

Um adendo: Redes sociais é o caralho. Quem não me abraça, não me tem.

OS EXCLUÍDOS

1 – “PORQUE VOCÊ ME EXCLUIU DAS REDES SOCIAIS?”

Por obrigação social, somos “obrigados” a adicionar pessoas que fazem parte de sua vida em um determinado momento. Trabalhei com você? Com certeza você deve ter me perguntado “Você tem Face?” e eu – pensando “caralho, puta que pariu…” –  falei que você poderia me adicionar. Mas parei de trabalhar com você e não criamos nenhum tipo de vínculo de amizade...

Ler mais

E se o apocalipse zumbi acontecesse no Brasil? (Aviso: Piadinhas mórbidas no texto)

A revista Super Interessante consultou o professor de Direito Penal da PUC de São Paulo Cláudio José Langroiva Pereira sobre o que aconteceria se você matasse um zumbi, aqui no Brasil.

“Se o zumbi for considerado um objeto pós-morte, sem capacidade intelectual, e for propriedade de alguém, o dono do zumbi poderia reclamar perdas e danos morais em juízo. A pena para quem comete um crime de dano é de um a 6 meses de prisão ou multa. Mas este tipo de crime não coloca ninguém na cadeia. A pessoa poderá realizar um acordo em juízo, reparar o dano e cumprir uma pena alternativa como, por exemplo, limpar cemitérios”.

“No entanto, matar um zumbi também pode ser um crime de maus tratos a animais...

Ler mais

Quando os anjos falam…

Nunca houve um planejamento para escrever “O Coala Caolho e Outros Contos”. Não acordei um dia e decidi que ia escrever sobre bullying para crianças, que teria esse nome e que seria dessa forma e tal…

Os contos foram surgindo, escritos em épocas diferentes, e quando eu tinha vários, percebi que eles falavam do mesmo tema: diferenças. E nunca tinha visto nenhum livro infantil que falasse sobre bullying, diferenças, sem ser “didático” no pior sentido.

Quando o livro aconteceu, tive vários feedbacks positivos de várias pessoas, o que me deixou feliz, mas não sabia se as “mensagens” contidas no texto chegavam onde eu queria, se no meio de toda a fantasia havia espaço para que o que eu queria ficasse guardado em algum lugar na alma das crianças que lessem.

Uma psicóloga chegou a me ...

Ler mais